Mudamos de endereço!

Queridas e queridos leitores do Me Sinto Grávida e você que chegou por aqui agora, mudamos o endereço e será uma alegria continuar compartilhando e trocando informações com vocês. Além do novo endereço, estamos de cara nova. Seria interessante saber sua opinião. Então acesse:

http://mesintogravida.com.br

Aproveitamos para anunciar que o Me Sinto Grávida também está no Instagram e estamos preparando uma promoção super bacana lá para o Dia das Mães. Acompanhe para não ficar de fora dessa.

Captura de Tela 2013-04-10 às 11.25.48 PM

http://instagram.com/mesintogravida

Vamos continuar mantendo contato, seja pelo Instagram, pelo novo endereço do blog ou pela página do Me Sinto Grávida no Facebook.

Um beijo*

Mimos supérfluos para o seu bebê

Há coisas que a gente só sabe da necessidade depois do nascimento do bebê. Coisas que você poderia ter pedido no chá-de-bebê ou de presente para os amigos mais chegados. Coisas que você sequer sabe da existência, mas lá na frente vai falar “poxa deveria ter algo assim”. Com certeza tem! Posso dizer que são produtos do tipo “supérfluos”, mas quem pode pagar, conforto nunca é demais.

Resolvi fazer este post porque perdi oportunidades de mandar trazer de fora produtos que só soube da existência depois do nascimento da Bia, produtos que não vendem no Brasil ou são caros além da conta. Alguns eu adquiri aqui, outros já passou da época. Então, segue a dica. Serve tanto para quem está montando o enxoval do bebê, como para quem quer presentear. São só alguns de uma lista enorme de coisas que incentivam o nosso consumismo.

Cadeira de descanso

Há diversos modelos, que vibram, que tocam musiquinhas, que balançam. Coloridas, cheias dos penduricalhos. Afinal, que raios de cadeira é essa? Eu costumo brincar que a cadeira é do bebê, mas o descanso é da mamãe. É uma cadeirinha confortável onde você coloca o bebê e ele acaba entretido com as mil e uma coisas que ela faz. Chegando a, inclusive, dormir.❤

A média de preço varia, de acordo com a marca e as funções, entre R$173,00 a quase R$2mil.

Para Bia, comprei uma da Fisher-Price, Cadeirinha de Balanço Minha Infância, que pode ser utilizada até os 4 anos ou 18kg.

Média de preço R$359,00

Média de preço R$359,00

Ofurô de bebê

É simplesmente um balde! Os benefícios são tantos que valem um investimento. Existem de várias marcas, modelos e – descobri recentemente – tamanhos. A média de preços varia entre R$35 e R$260,00.

Optamos pelo Prince Lionheart Washpod Bath Tube por seu designer prático para carregar, tendo duas alças, por seu apoio ser aparentemente mais confiável e por ter uma almofada para colocar no fundo.

Prince Lionheart Washpod Bathtub in White

Média de preço R$150,00

Escorredor de mamadeiras

De verdade, eu não sabia que existia algo feito exatamente pra isso. Já tinha até comprado um escorredor copos quando, certa feita, vi uma variedade em uma loja da Chicco aqui em Brasília. Foi aquele momento “Uau! Existe e eu nem precisei inventar!” Realmente, é o supérfluo do supérfluo. Mas, quem gosta de uma graça – como eu – adquira.

A média de preços que vi por aí é de R$24 a R$75. O que comprei para a Bia, da Chicco, custou R$54.

R$54,00

R$54,00

Rolo posicionador de bebê

É um negócio simples, mas que faz toda a diferença. É basicamente um tecido que envolve dois rolos com um espaço entre os dois. Serve para segurar o bebê evitando – dentro do possível – que ele role no berço. Aqui vale investir. Você encontra uns bem baratinhos nos supermercados. Você pode investir entre R$19,00 e R$70.

Optamos pelo da The First Years air flow, de 0 a 5 meses (mas faz tempo que não cabe mais a Bia nele)

Custa uns R$60

Custa uns R$60

Esterilizador de mamadeiras

Sinceramente, taí um negócio que comprei e não utilizo. Prefiro ferver a água e escaldar as mamadeiras, copos e talheres da Bia. Mas, para quem é adepto, há muitas opções no mercado. Na verdade, ele é bem mais prático do que escaldar os utensílios. Acho que não uso por falta de espaço na minha humilde residência. São tantos eletrônicos que… enfim. Quem quiser, até vendo o meu Dexel.

A média de preços é de R$75 a R$300. Isso, para os elétricos. Tem uns outros para microondas que tenho minhas dúvidas da eficiência e segurança proporcionada.

O da Bia é da Dexel e comporta 6 mamadeiras e possui um compartimento central para bicos e acessórios menores. Desliga sozinho e é bivolte.

R$100

R$100

Almofada para amamentar

Olha é muito útil se você tiver uma poltrona, caso contrário, não vejo necessidade. Ao menos para a amamentar. Depois, você pode reaproveitar para usar como apoio para o bebê quando ele estiver começando a sentar.

Média de preço entre R$45 e R$250. Comprei uma em formato de lua por R$120,00 aqui em Brasília. Mas, usei muito pouco porque não me sentia confortável já que não comprei a poltrona para amamentação.

Não foi bem essa que comprei, mas é muito parecida.

Não foi bem essa que comprei, mas é muito parecida.

Cadeira Bumbo

Dizem que é uma cadeirinha de descanso, mas acho que está mais para algo que ensina a criança a sentar. Quando vi a filha de uma colega usando achei super interessante, porque desde novinha ela já estava sendo estimulada a aprender a sentar. Porém, não se encontra este item com facilidade no Brasil (quando acha é superfaturada) e o fato de eu não saber da existência me fez perder a oportunidade de trazer de fora. Choro minhas pitangas até hoje.

Deixo o vídeo para vocês verem o quanto é legal, útil e prática:

A emoção da primeira ecografia

Desde que vi o resultado da gravidez e marquei a primeira consulta do pré-natal o que corria em minhas veias era apenas ansiedade, além de tantas perguntas que tinha que fazer para a minha médica não via a hora de ver a primeira vez aquele “feijãozinho” que estava dentro de mim. O Filipe está fazendo questão de acompanhar cada momento e, logo que saímos da consulta já fomos marcar a primeira ecografia.

A ecografia é uma técnica que utiliza o ultra-som para obter imagens do embrião dentro do útero da mãe. No início da gestação essa ecografia é realizada por via vaginal e no decorrer da gestação passa a ser feita por via abdominal.

No dia seguinte após a consulta, tive um pequeno sangramento e tive fazer a ecografia ali mesmo, no pronto socorro do hospital que trabalho e portanto, sem o Filipe, o que o deixou bem chateado, mas convenhamos que era o melhor a ser feito naquele momento. Eu estava tensa, ansiosa (diria desesperada), queria saber se estava tudo bem com meu bebe ou o que deveria fazer pra tudo ficar bem. Ainda não sabia com quantas semanas eu estava e nem se seria possível ouvir o coraçãozinho. Durante a ecografia, uma amiga, Dalila, estava presente e fez aquele momento ficar mais tranqüilo, o médico também me acalmou quando disse que eu estava com um pequeno hematoma subcoriônico (entrarei em detalhes em outro post) e que repouso seria o “tratamento”. Mas o que realmente fez toda a diferença foi saber que eu estava com 6 semanas e 1 dia, ouvir o coraçãozinho bater normalmente aos seus 126 batimentos por minuto e como diria a Dalila: “num corpitcho” de 4,4mm. Quanta emoção!

Depois de uma semana eu e o Filipe fomos fazer novamente a ecografia e naquele momento eu pude ter certeza de que tem um ser dentro de mim e que somos responsáveis por outra vida. Foi tão lindo saber que ele está bem maior, com 159 batimentos cardíacos e com 1,41cm. Ouvir aquele som novamente nunca foi tão tranqüilizante, a melhor música que já ouvi, um sentimento inexplicável e de muito amor. Gravamos tudo e fiz questão de colocar aqui esse momento tão mágico.

Nova mamãe e o teste do Beta HCG

Teste do Beta HCGOlá mamães! Sou Camilla, biomédica e agora a mais nova mamãe do pedaço.:) Descobri no dia 12.03.13 que estou grávida. Ou como diriam alguns amigos ao verem meu exame de sangue “muito grávida” . rs

Estava me sentindo diferente há umas duas semanas, com um sono incontrolável, fome de tudo, vontades aleatórias no meio do dia de trabalho, certos enjôos a comidas que eu nunca diria não (no caso japonesa), meus seios estavam enormes e doloridos só de encostar na roupa. E eu estava feliz porque brincava com meu marido, Filipe “do Chocola“, dizendo que me sentia siliconada naturalmente! Haha!😀 Já estava esperando há 15 dias a querida menstruação chegar e como eu estava sentindo cólicas e gases, pensei que fosse só um atraso menstrual.

Daí, após pesquisar em dezenas de lugares todos os sintomas possíveis de gravidez, tudo estava super indicativo que realmente pudesse estar grávida. Entretanto, estava com medo de fazer o teste porque não programamos essa gravidez, mas ao mesmo tempo eu e o Filipe ficávamos felizes só de pensar na possibilidade. Resolvi fazer o teste de sangue, o exame da gonadotrofina coriônica humana, ou comumente conhecida como Beta HCG, mesmo sabendo que hoje em dia os testes de farmácia, realizados com a urina, também são sensíveis. Mas preferi ter certeza logo em meio a tanta ansiedade.

Mas, porque fazer o teste de Gonadotrofina coriônica humana (HCG) quando se suspeita de gravidez?

Bom, a gonadotrofina coriônica humana é uma glicoproteína hormonal que é produzida pelo sinciciotrofoblasto. Calma! Este nome nada mais quer dizer que o hormônio é produzido pela placenta. Quando a placenta é formada, esta é composta por uma parte fetal e uma materna, o sinciciotrofoblasto faz parte da implantação do embrião ao útero. A placenta produz hormônios essenciais para a manutenção da gestação, como: progesterona, estrógeno e o HCG. Estudos relatam que entre sete a dez dias após a concepção, as concentrações de HCG na urina e no sangue aumentam, gerando a positividade no exame. O aumento desse hormônio, além de gravidez, pode ser observado em outros casos específicos de câncer, inclusive no homem. Durante o primeiro trimestre de gestação é o HCG que mantém a gestação e impede que haja uma nova ovulação e menstruação.

Em qual exame confiar mais: de farmácia ou de sangue?

Os dois exames podem apresentar resultados confiáveis, entretanto vale lembrar que o HCG está presente em menores quantidades na urina do que no sangue. Assim, na urina pode levar a um resultado falso negativo se realizado muito precocemente, ou até mesmo um resultado falso positivo por uso de medicamentos que contenham HCG, por exemplo, para tratamento de casos de infertilidade, em algumas patologias, em caso de aborto ou se tiver dado a luz a menos de 8 semanas. Outros fatores podem interferir no resultado, como: uso de antibióticos, antiinflamatórios, anticoncepcionais e álcool.

E porque sentimos tanto enjôos e desejos ainda no início da gestação?

O nosso organismo de forma geral funciona em equilíbrio. Ou seja, se algo não vai bem ou há alguma alteração, todo o resto do corpo responde de alguma forma. Quando se está grávida, simplesmente é como se tivesse “uma bomba de hormônios” e então imagina quantas coisas diferentes acontecem? A dosagem dos hormônios está bem maior do que o normal e acaba influenciando no enjôo, na alteração digestiva, como azia e queimação, no aumento da salivação e apetite, além do sono.

Enfim, fiz o exame e ao pegar o resultado sentei e comecei a suar e tremer. Fiquei ali tentando interpretar o que aqueles números queriam dizer. Pequeno detalhe: o médico que tinha me atendido pra prescrever o exame conversou comigo e sabia que eu era biomédica. Basicamente, para os que não sabem, biomédicos podem liberar laudos de exames laboratoriais, ou seja, mesmo que não explicitemos o que significa sabemos o porque daquele resultado! Eu estava tão nervosa que não conseguia entender que 35840U era maior que 25U e que isso significava que eu realmente estava grávida. Adivinha o que tive que fazer? Voltar e perguntar pro médico o que todos aqueles números queriam dizer… ele riu e disse:

Você não é biomédica? Criança sempre é bem vinda, né? Parabéns, você está bem grávida

Na mesma hora pensei em gritar de alegria e contar pra todo mundo ao mesmo tempo, mas queria chegar em casa e poder falar pro homem que me fez me sentir assim, mais mulher e a mais feliz. Comprei um par de meias (micro) e coloquei em uma caixinha pra fazer a surpresa. Ele ainda em choque sorria e me abraçava. Só depois de um tempo a ficha começou a cair.

Lojas de bebê na internet | 100% baby

Gente, vou começar uma série de posts sobre lojas de bebê na internet. Vou falar somente daquelas que eu realmente tiver algum tipo de experiência de compra. Tanto para o bem, como para o mal. Apesar de ter crescido bastante, não é nada fora do comum termos problemas com compras online. Eu, que sou super adepta da compra pela internet, ainda tenho minhas restrições. Antes de adquirir algo de valor alto, compro peças de preço menor para fazer o teste. Também costumo consultar comentários de outros clientes, contatos online e offline.

O primeiro post da série será uma recomendação POSITIVA.

100% BABY – moda bebê

body-copia-reduzidaConheci a loja por conta da fan page no Facebook, gostei de um body que vinha com a frase “Cópia reduzida (e autenticada) do papai”. Acabei comprando para minha filha. Ao pedir informações na própria fan page, fui prontamente atendida. Efetuei o pagamento e apenas aguardei a entrega.

Chegou! Ponto para a lojinha que entrou para minha lista de favoritas. Amei a qualidade do tecido, o body é da Piu Blu. A estampa também é bem feitinha, não tem aparência de que vai descascar com o tempo.

A “100% Baby, moda bebê” é uma lojinha de Ponta Grossa/PR, mas entrega em todo o Brasil. Seus produtos, destinados ao público de 0 a 3 anos, variam entre acessórios e roupas.

  • Marcas
  • carter’s
  • Philips Avent
  • Paraiso – moda bebê
  • DrBrown Natural Flou
  • Up Baby
  • Noruega
  • LePeti Enfant
  • Anjos baby
  • Piu Blu

Formas de pagamento

Cartão, boleto, depósito bancário e pag-seguro.

Entrega

Correios: Sedex ou PAC.

Fim da licença maternidade. De volta ao trabalho

mae-trabalhoEstar preparada psicologicamente para este momento é essencial. Três semanas após o meu retorno ao trabalho, posso falar numa boa: não é tão difícil assim! Algumas mães sofrem muito, em outros casos são as crianças. Mas, eu fui muito abençoada e não tive problemas com isso. Nos organizamos antes, estabeleci uma rotina que deve ser seguida e, tudo isso, me ajuda a manter a tranquilidade.

A princípio, Bia iria para a creche. Pensamos bem e avaliamos que ainda não é o momento. A saída foi, já que minha mãe trabalha meio período e já tinha se oferecido para a missão, deixá-la com a empregada e com a avó. Pela manhã, Beatriz fica com a empregada, que começou a trabalhar na minha casa nos primeiros dias depois do nascimento da pequena. À tarde, ela fica com a avó, enquanto a empregada cuida da casa.

Gosto muito da Dona Pedra, que já é uma senhora e veio trabalhar comigo por indicação da minha diarista. Este tempo convivendo com ela me passou a segurança que eu precisava nela, tanto como pessoa, como profissional. Eu diria que Pedra é a terceira avó de Bia e não sei o que seria de mim sem ela.

No primeiro dia, eu quem chorei, eu quem senti falta da Bia. Ela só se divertiu aqui em casa. Não deu trabalho para suas cuidadoras e me recebeu com um sorriso enorme quando retornei pra casa. Como deu certo, segui em frente. Superando a cada dia o fato de não poder acompanhar tudo tão de perto da sua evolução. Em alguns dias, quando chego, ela já está dormindo. Por isso, aproveito bem o final de semana.

Quanto à rotina:

Anotei em um quadro branco uma sequência de horários para as principais atividades, como alimentação, sono e banho. Além de recomendar quanto ofertar de alimento. Claro que não é algo fixo, tudo depende de como a Beatriz aceita tudo por aqui, só é um norte.

E vale o conselho de uma xará que trabalha comigo e também teve uma menininha meses antes da Beatriz: “Pratique o desapego”(Géssica)

Leite materno

Não deixei de oferecer o leite materno à Bia. Pela manhã, ela mama no peito. Ao longo do dia na mamadeira, intercalando com alimentos sólidos. À noite, quando eu chegar, se ela estiver  acordada, no peito novamente. Me desdobro no trabalho para reservar o tempo para a ordenha. Sempre levo leite meu para casa. O que tiro num dia, deixo congelar na sala de amamentação, para levar no outro.

Saiba mais sobre a ordenha do leite materno.

Cozinhando para bebês: a primeira papinha

papinhaHoje, resolvi escrever este post, sobre cozinhar para bebês, porque algumas pessoas vieram me perguntar como é que fiz Beatriz comer tão bem em tão pouco tempo. Para ser bem sincera, acho que sou uma mãe de sorte. A maioria dos problemas que as outras mães enfrentam com muita intensidade, eu simplesmente desconheço. Por exemplo, fazer o bebê dormir à noite toda. Como já disse diversas vezes, Bia dorme à noite inteira desde os 15 primeiros dias de vida.

Mas vamos lá. Fiz como a pediatra falou, um alimento de cada vez para aprendermos os gostos da criança e, quiçá, descobrir alguma alergia alimentar.

Se você está começando agora, sugiro que faça como eu. Inicie com uma fruta uma vez ao dia, no segundo dia a mesma fruta duas vezes; No terceiro dia, escolha outra fruta e alterne com a anterior. Assim, o bebê já começa a acostumar-se com outros sabores, mas sem ser bombardeado. Há quem oriente dar o prazo de uma semana para cada alimento. Fica a seu critério.

Você não precisa ser um mestre cuca para fazer comidinha para seu bebê. Além de não ter um paladar muito aguçado, o bebê não deve ser exposto além do natural. Ou seja, quanto mais fresco e puro o alimento, melhor.

Para sua primeira papinha salgada sugiro a papinha de batata:

  • Um batatinha inglesa
  • Uma colher de cebola picada (muito bem picada)
  • Uma colher rasa de azeite de oliva

Refogue a cebola apenas com água. Quando ela estiver com aquela aparência aguada, meio transparente, refogue levemente a bata cortada em cubos. Acrescente água e deixe cozinhar. Quando a batata estiver molinha, amasse com um garfo até virar uma pastinha. Despeje o azeite e sirva. Observe que chamei a papinha de salgada, mas ela não leva sal. É isso mesmo!

Insista com esta papinha por uma semana. É simples de preparar e não choca o bebê com um sabor muito complexo.

Depois que o bebê já estiver familiarizado, experimente, além da batata, colocar uma cenoura na comidinha dele. Vá alternando com outros ingredientes.