Sintomas comuns do 6º mês de gravidez

Estou na 25ª semana de gestação e decidi compartilhar com vocês os sintomas comuns durante este período, que vai da 23ª a 27ª semana. As informações são do livro “O que se esperar quando se está esperando”*, emprestado pela amiga Tainara a mim e que tenho lido desde o 4º mês de gravidez.

Lembre-se sempre de que todas as gestações, assim como todas as mulheres, são diferentes. Você poderá sentir ora todos, ora só alguns sintomas. Uns ainda persistem desde o mês anterior, outros só agora surgiram. Outros ainda são de difícil percepção porque a gestante já se acostumou a eles. Há também alguns, menos comuns, que agora podem se manifestar.

Físicos

  • Atividade fetal mais evidente.
  • Secreção vaginal esbranquiçada (leucorréia).
  • Dor na região abdominal baixa e lateral (por estiramento dos ligamentos que sustentam o útero).
  • Prisão de ventre.
  • Azia, má digestão, gases, distensão abdominal.
  • Dores de cabeça, desmaios ou tonteiras ocasionais.
  • Congestão nasal e sangramento nasal vez ou outra; entupimento dos ouvidos.
  • Sangramento das gengivas.
  • Maior apetite (avaliem o quanto tenho comido ultimamente, gzuis)
  • Cãibras nas pernas.
  • Edema leve (inchaço) nos tornozelos e pés, às vezes nas mãos e no rosto.
  • Varize nas pernas e/ou hemorróidas.
  • Coceira abdominal.
  • Umbigo protuberante.
  • Dores lombares.
  • Alteração da pigmentação cutânea no abdome e/ou face.
  • Aumento dos seios.

Emocionais

  • Diminuição das oscilações de humor.
  • Persistência da desatenção, da distração.
  • Aborrecimento com a gestação (“será que ninguém consegue pensar em outra coisa?”).
  • Ansiedade com relação ao futuro.
*MURKOFF, Heidi; EISENBERG, Arlene; HATHAWAY, Sandee. Paulo Fróes. O que se esperar quando você está esperando. 9ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2009.
Título original norte-americano: WHAT TO EXPECT WHEN YOU’RE EXPECTING
Anúncios

#25semanas – Consulta médica

Os pequenos braços e pernas já começam a demonstrar sua força, e, à medida que essa calistenia – ou um simples acesso de soluços – torna-se aparente, todos ao redor podem desfrutá-la.

Quase 10 semanas depois estou de volta. Infelizmente, não tenho o tempo necessário para me dedicar a escrever sobre esta gestação. São muitos afazeres e me sobra pouca disposição. Mais a frente falarei sobre isso. Beatriz, frenética, se move o tempo inteiro no auge das suas 25 semanas de gestação. Hoje, fomos ao médico para a consulta de rotina e levar exames.

Está tudo bem com ela e com a mãe também. Os exames, um ultrassom morfológico, uma ecografia transvaginal e exames de sangue e urina, mostram que ela é uma menina saudável abrigando-se em um corpo também saudável.

Ecografias:

Ultrassom – morfológico

  • O que: ecografia morfológica do 2° trimestre
  • Quando: realizada entre a 20ª e 24ª semana de gestação
  • Pra quê: detecção de má formações e cromossomopatias
  • Resultado: estudo morfológico fetal normal; biometria e relações biométricas fetais normais; ausência de marcadores ecográficos de cromossomopatias

Ultrassom – endovaginal

  • O que: exame realizado com equipamento dinâmico vaginal
  • Quando: realizado no segundo trimestre
  • Pra quê: detecta a insuficiência istimo-cervical, em Portugês claro, serve para detectar a incapacidade do colo uterino de manter uma gravidez.
  • Resultado: o exame ecográfico não mostrou sinais sugestivos de incompetência istimo-cervical.

O médico só puxou minha orelha por um porém, e pasmem: porque engordei além da conta. Desde a nossa última consulta, há exato um mês, era para eu ter engordado até 1kg e 800g. Bom, eu engordei 2kg e uns quebrados. Mas, vamos ponderar que, hoje, a pesagem veio depois de um belo almoço com direito a picanha, arroz, feijão e fritas. Sem contar com os morangos recheados com chocolate…

Próxima consulta marcada para daqui a um mês, terei que apresentar apenas aquele temido exame da curva glicêmica, o teste oral de tolerância à glicose para saber se tenho tendência a ter diabetes. Espero que não tenha e que não vomite durante o procedimento. Amém!

#16semanas – Consulta médica

Na última terça-feira (24), fui ao médico. Após um mês sem vê-lo, estava cheia de dúvidas. Ele aferiu minha pressão, viu meu peso, ouviu o coraçõazinho da Beatriz, verificou o tamanho do saco gestacional e me deu uma série de conselhos.

Perguntei sobre as dores que sinto nos momentos mais variados no pé da barriga, parecidos com cólicas menstruais e dores no osso da vagina. Ele disse que é o corpo dando espaço para o desenvolvimento da pequena. Falei sobre as dores nos seios e mamilos. Ele explicou que meu organismo já está querendo produzir leite, este momento é o preparo, por isso também os seios ficam maiores. Falei sobre a dificuldade que tenho tido para dormir, acordando várias às vezes ao longo da noite tentando arrumar um posição confortável – nunca tive problema com isso antes. Muito amável, meu médico disse “Não se preocupe, tudo isso vai piorar até o fim da gravidez.”

Mas, a Beatriz está ótima. E isso é o que importa. Ainda que eu esteja comendo que nem uma leitoa, nisso o médico pediu para eu tomar cuidado. Quem me conhece há muito tempo, sabe que sempre fui um trituradorzinho, agora então. Armaria! Ah! Uma dica muito interessante que o médico me deu foi evitar o uso de talco antisséptico para o pé que contenha enxofre, que é o caso do Polvilho Granado, porque o organismo acaba absorvendo. Durante a gravidez, é melhor usar o spray tenis-pé baruel.

Só vou voltar a ver o médico daqui um mês e para este período ele não pediu nenhum exame. Só vou tomar o reforço da vacina de hepatite B e me vacinar contra a gripe.

 

#Gravidez – 16 semanas

Primeira foto grávida - 4 meses

Falei sobre a coceira que estava me incomodando, dei a receita para a solucionar o problema, mas esqueci de falar à quantas anda minha gestação. Beatriz já está com 16 semanas e 3 dias; é uma menina saudável de acordo com as ecografias morfológicas que fiz. Neste período, minha barriga já está bem visível. Acho que está crescendo muito rápido, ou sei lá, o tempo esteja voando. E acho isso ótimo, porque estou louca para ter Beatriz em meus braços.

Tenho sentido algumas dores semelhantes à cólicas, mas pelo que li são normais. Vou ter certeza quando visitar meu médico na próxima terça-feira. Até já saí para dançar. Usando salto e um vestido longo. (Obrigada, Dharana por compartilhar o lindo momento do seu baile de formatura conosco). Os enjôos que me atormentavam tanto no início da gravidez diminuíram consideravelmente, mas ainda acontece aqueles momentos de náuseas e vômitos, principalmente pela manhã.

Meu cabelo está bonito, considerando que eu não cuido nada dele. A gravidez melhora a gente! Melhora tanto, que nunca tantas pessoas me disseram que eu estava linda, apesar de que me sinto gorda e pálida todos os dias quando me olho no espelho. O fato de se estar grávida já é bonito por si só, pelo que percebo.

Tenho conversado com a Beatriz sempre que posso e tenho colocado o pai e os avós maternos para fazerem o mesmo. Uma das tias também já troca altas ideias com minha pequena. Dizem que isso é muito importante, tem reflexos positivos depois do nascimento. Uma espécie de estreitamento de laços.

Beatriz –  18,7 cm e 163g

Coceira na barriga, como evitar?

Conforme o bebê vai crescendo, o nosso organismo vai se transformando para que ele esteja confortável dentro da’gente. A barriga cresce e com isso a pele estica. Assim acontece com os seios e o quadril. Se a pele não estiver bem hidratada, as coceiras são inevitáveis e se cedermos a elas, o terror das estrias vai nos rondar. Beber muita, muita água é fundamental durante a gravidez. Mas não basta. Alimentação adequada e dedicação especial à pele também são essenciais.

Uma amiga, Tainara, me ensinou uma receitinha que melhorou meus dias. Esta dica foi dada a ela quando estava grávida da Ana Julia por seu médico. É super simples. Adicione à quantidade generosa de hidratante Nivea pele extra-seca, quantidades também generosas de óleo de amêndoas e hipogloss. Deixe já misturado em um pote para você não ter que repetir a mistura toda vez. Passe nas regiões que mais esticam no período gestacional: barriga, cintura, quadril e seios, não passe nos mamilos.

É instantâneo! Na mesma hora você vai sentir alívio. Passe pela manhã e pela noite, se puder passar mais vezes ao longo do dia melhor ainda.