Alimentação do bebê | Livre demanda ou horário para mamadas

horario-do-bebeEstabelecer horários para tudo na vida do bebê é indicado por muitos especialistas. Principalmente ao que diz respeito à amamentação. É perfeitamente possível e a rotina do bebê permite à mãe uma organização para que sobre tempo pra ela.

Por outro lado, é difícil ter controle sobre a suficiência daquela quantidade de mamadas logo no início. Afinal, eles têm o estômago muito pequeno e, por isso, menos capacidade de armazenar alimento, sendo necessárias várias mamadas ao longo do dia.

Levando isso em conta, dei preferência à outra orientação, “amamentar sob livre demanda”. Não estabeleci horários para amamentar, principalmente nos dois primeiros meses. Deu tão certo, que Bia mama o suficiente durante o dia para não ter que mamar de madrugada.

Desde os 15 primeiros dias de vida, Bia dorme à noite toda sem prejuízo algum para o seu ganho de peso. Muito pelo contrário, o pediatra disse que ela tem um desenvolvimento excelente, acima da média.

Dá vontade de esfregar isso na cara de um outro pediatra que me “mandou” amamenta-la de uma em uma hora durante o dia e de duas em duas horas durante à noite. LOKÃO! Desabafei. Nada contra quem segue esta rotina com mamadas noturnas, cada criança tem seu tempo e jeito.

Livre demanda

Mas como alimentar sob livre demanda? Como saber se o bebê realmente quer mamar? Antes que o bebê chore, podemos saber se ele quer mamar. É preciso eliminar problemas, como fralda suja e sono, por exemplo. Ele pode demonstrar, antes de chorar, que está com fome ao fazer movimentos de sucção com a boca. Beatriz, por exemplo, tinha um jeitinho muito engraçado de mostrar sua vontade de mamar. Ela abria a boca e ia jogando a cabeça para cima da gente na tentativa de encontrar o peito com a boca. Parecia um bichinho.

Agora, se o bebê for muito novinho e resistir às mamadas, dormindo toda vez, pode dar um jeito de acordá-lo. No início eles são assim, mais preguiçosos. Daí vale tirar a roupinha, passar um algodão úmido no rosto, fazer cosquinhas, tudo para mantê-lo acordado.

Muitos pais se preocupam com o tempo de cada mamada. Quanto maior o bebê, maior é a capacidade do estômago de receber leite e também de sucção, podendo o bebê em apenas 3 minutos mamar tudo o que precisa. Basta que você acompanhe o ganho de peso para saber se o consumo de leite está sendo o ideal.

Para uma mamada tranquila, o ideal é que você não espere que o bebê chore para mamar. Ofereça o seio a ele antes disso, diante de qualquer sinal de fome. Quando o choro de fome acontece, a mamada já pode ser tardia e o bebê estará muito irritado, sendo preciso acalmá-lo diversas vezes durante a mamada.

Com horário estabelecido

No livro, “A Encantadora de bebês”, Tracy Hogg e Melinda Blau ensinam a estabelecer a rotina E.A.S.Y (Eat – comer; Atividade; Sono; You), que inclui a alimentação. Não existe uma receita mágica, então recomendo que leiam o livro. De qualquer forma, trouxe os horários sugeridos pelas autoras de acordo com a idade do bebê.

Um dia E.A.S.Y. típico para uma criança de 4 semanas

E 7:00 Mamar
A 7:45 Troca de fralda. Brincadeiras e conversa; observar dicas de sono.
S 8:15 Vista o bebê e deite-o no berço. Ele pode demorar de 15 a 20 minutos para adormecer para a primeira soneca da manhã.
Y 8:30 Você dorme enquanto ele dorme
E 10:00 Mamar
A 10:45 Veja 7:45 acima
S 11:15 Segunda soneca da manhã
Y 11:30 Você dorme ou pelo menos relaxa
E 13:00 Mamar
A 13:45 Veja 7:45 acima
S 14:15 Soneca da tarde
Y 14:30 Você dorme ou pelo menos relaxa
E 16:00 Mamar
A 16:45 Veja 7:45 acima
S 17:15 Soneca rápida por 40 a 50 minutos, para que ele descanse o suficiente antes do banho
Y 17:30 Faça algo legal para si mesma
E 18:00 Primeira refeição robusta
A 19:00 Tomar banho, vestir o pijama, canção de ninar ou ritual da hora de dormir
S 19:30 Outra soneca rápida
Y 19:30 Você janta
E 20:00 Segunda refeição robusta
A Nenhuma
S Coloque-o diretamente no berço.
Y Aproveite sua noite curta!
E 22:00 ou 23:00 Refeição dos sonhos e cruze os dedos até a manhã chegar
Nota: independente de o bebê mamar ou tomar mamadeira, eu aconselho a rotina acima – permitindo as variações no tempo – até os 4 meses de idade. O tempo do A (atividade) é mais curto para bebês menores e torne-se progressivamente mais longo. Também recomendo transformar as duas “refeições robustas” em apenas uma (às 17:30 ou 18:00) na oitava semana. Continue com a “refeição dos sonhos” até os 7 meses – a menos que ele durma muito e consiga ficar sozinho.

Para bebês de 4 a 6 meses

E.A.S.Y. de 3 horas

E 7:00 Acordar e mamar
A 7:30 ou 7:45 Dependendo da duração da mamada
S 8:30 Soneca de 1h30min
Y A escolha é sua
E 10:00
A 10:30 ou 10:45
S 11:30 Soneca de 1h30min
Y A escolha é sua
E 13:00
A 13:30 ou 13:45
S 14:30 Soneca de 1h30min
Y A escolha é sua
E 16:00
S 17:00 às 18:00 Soneca rápida (aproximadamente 40 minutos) para preparar o bebê para a próxima mamada e o banho
E 19:00 Refeição robusta às 19:00 e às 21:00 se estiver passando por um impulso do crescimento
A Banho
S 19:30 Hora de dormir
Y A noite é sua
E 22:00 ou 23:00 Refeição dos sonhos

E.A.S.Y. de 4 horas

E 7:00 Acordar e mamar
A 7:30
S 9:00 Soneca de 1h30min a 2 horas
Y A escolha é sua
E 11:00
A 11:30
S 13:00 Soneca de 1h30min a 2 horas
Y A escolha é sua
E 15:00
A 15:30
S 17:00 às 18:00 Soneca rápida (aproximadamente 40 minutos)
E 19:00 Refeição robusta às 19:00 e às 21:00 apenas se estiver passando por um impulso do crescimento
A Banho
S 19:30 Hora de dormir
Y A noite é sua
E 23:00 Refeição dos sonhos (até 7 ou 8 meses, ou quando os alimentos sólidos estiverem estabelecidos)

Estas rotinas acima são apenas um contexto; você, provavelmente, não conseguirá empregá-las se não ler o livro todo para entender o método. Não é fácil, principalmente em bebês mais velhos. É preciso levar em consideração fatores como idade, peso ao nascer e personalidade do bebê. Bebês prematuros, por exemplo, têm um outro tipo de cálculo para criar uma rotina, só estudando mesmo para compreender e aplicar da forma correta.

Anúncios

Alimentação do bebê | Aleitamento Materno

A amamentação é um ponto essencial dentro da rotina do bebê. Ela e o sono (ou a falta deles) da criança são responsáveis por boa parte dos problemas que você encontrará no caminho na convivência com o bebê. É preciso paciência e atenção.

O Ministério da Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo até os seis meses e acompanhado de sólidos até dois anos. “Criança que mama no peito não precisa de chupeta ou mamadeira e o uso destas podem prejudicar a amamentação”.

Salvo exceções, toda mãe é capaz de amamentar no peito. Mas o início é sempre o início e pode ser doloroso. Com o tempo, você se adapta e tudo melhora, passando a ser prazeroso amamentar.

No dia em que Bia nasceu, a enfermeira a colocou nos meus braços e disse “Tá na hora de mamar” e saiu andando. Por mais que já tivesse lido a respeito, surtei e a chamei de volta. “Ei! não sei como fazer isso”. Ela retornou e me orientou com todo o carinho do mundo.

A posição ideal é barriga com barriga. O bebê deve abocanhar toda a auréola e não somente o bico do peito. A boca fica como a de um peixinho. Esta é a chamada boa pega.

A posição ideal é barriga com barriga. O bebê deve abocanhar toda a auréola e não somente o bico do peito. A boca fica como a de um peixinho. Esta é a chamada boa pega.

No início, são quase inevitáveis as fissuras no bico dos seios. Afinal, além do aprendizado da técnica, tem a falta de costume. Basta cuidar para que o bebê faça a boa pega e dificilmente terás o bico rachado. Caso aconteça, use pomada de lanolina para hidratar ou até o próprio leite materno.

O aleitamento materno é bom para o bebê e para a mamãe. O leite contém anticorpos que vão garantir a saúde do pequeno, sem contar que previne a obesidade. Já a mamãe consegue voltar à velha forma mais rapidamente, o útero também é estimulado a voltar ao tamanho original e o aleitamento é uma forma de prevenção do câncer do colo do útero e de mama.

É certo que alguns bebês têm dificuldades de aprender a mamar no peito e algumas mães acabem desistindo. O que é uma pena diante de todos os benefícios do aleitamento materno. No geral, os pequenos já nascem sabendo como fazer. Para as mães que têm dificuldade, toda Unidade Básica de Saúde (Posto de Saúde)  tem um profissional dedicado ao tema “amamentação” para orienta-la no que for necessário. Bancos de Leite também são uma alternativa para buscar ajuda.

Sobre a alimentação da mãe que amamenta, é verdade que tudo que ela ingere é passado para o bebê o que não significa que determinados alimentos resultarão em algum problema para a criança. Isso varia de bebê para bebê. Bia, por exemplo, não teve problema com nenhum alimento que eu tenha comido. E olha que minha dieta não é das mais saudáveis, refrigerante, comidas apimentadas… como de tudo. Acredito que algumas crianças já tenham predisposição à “cólica”, independente da dieta da mãe – assim como é com os adultos e suas intolerâncias alimentares.

Agora, fica a dica, fumar diminui a produção e a qualidade do leite da mãe.